Qual idade para começar a namorar?

25 07-2012
Qual idade para começar a namorar?

Por Julie Maria

Numa sociedade onde se estimula as crianças desde cedo a viverem imersas numa promiscuidade – na qual o “ficar” é moda e onde todos os programas de TV para eles têm apelativo de depravação sexual –, os pais devem ter em claro sobre quando devem deixar seus filhos namorarem e os filhos devem acolher a autoridade dos pais como a vontade divina, da qual os pais devem ser fiéis intérpretes.

Para se responder a esta pergunta é preciso antes saber o que é namoro. O namoro é o tempo vivido com uma pessoa do outro sexo para se conhecerem melhor, e isso exclui qualquer contato físico íntimo, pois o conhecimento da outra pessoa no namoro é o de sua personalidade, sua fé e seus valores. Sabemos que qualquer contato físico gera o desejo carnal de aumentar tal contato, por isso, como bem ensina o padre Lodi, para quê ligar o motor do carro se você não vai poder dirigi-lo? Se o casal de namorados que está acostumado a se abraçarem e a se beijarem não conseguem vislumbrar um namoro sem este tipo de contato é justamente porque nunca o experimentou: a menina ou o menino que jamais se abraçaram ou beijaram conseguem muito mais facilmente viver um namoro perfeitamente casto, pois não experimentaram o desejo que este tipo de união gera e mantém a santa liberdade e pureza necessária para tomar a decisão se vale a pena ou não continuar com o namoro.

O homem (assim como a mulher) que no vigor de sua juventude vive uma vida dissoluta, como pode, mais tarde, estabelecer um santo e “casto esponsal” na fidelidade conjuga?[1]

Tendo presente isso e tendo claro que a meta do namoro é que o casal de namorados se conheça para, caso discirnam, se casem, a resposta sobre a idade certa para começar o namoro é esta: a idade que aquela moça e aquele rapaz já estejam preparados para casar e para terem filhos. Isso não significa que tenham que ter casa própria e cursado a faculdade – o que o mundo moderno logo entende por “estar preparado”. Estar preparado significa que eles estão maduros como pessoas para se unirem de forma definitiva pelo sacramento matrimonial. Fora disso, qual razão a não ser para perder sua pureza, guiaria um jovem ou uma jovem a ficar namorando indefinidamente? Se não devemos mexer com fogo para não nos queimar logicamente não devemos permitir que duas crianças – de 10, 12 ou adolescentes de 15 anos – entrem em um relacionamento que, durante este tempo, só gerará intimidades inapropriadas para sua idade, idade em que eles estão em plena formação de suas personalidades e não teriam condição nenhuma de se casarem. Estas idades são próprias para cultivarem amizades autênticas, especialmente com pessoas que são boa influência para eles. E por isso “namoro-namorado” não se deve nem ser motivo de brincadeira para eles, afinal namoro é coisa séria.

O que deve ser feito nestas idades é uma preparação adequada e progressiva para que estas crianças tenham a capacidade de, após um casto namoro, casarem-se conscientes de suas obrigações neste novo estado de vida. Já lamentava o Papa Pio XI como ninguém se torna engenheiro, mecânico, advogado ou médico de um dia para outro, mas muitos rapazes e donzelas se casam sem terem pensando nem um instante em se prepararem para os árduos deveres que os aguardam na educação dos filhos. Namorar é coisa séria e como tal deve ser ensinado aos filhos.

Por isso, para evitar que nossas crianças sintam – e caiam – na tentação de namorarem cedo demais ou despreparadas é preciso:

1.Ser exemplo como família. Se os esposos se amam e os filhos “vêem” isso, será mais fácil falar-lhes do ideal do matrimônio e da beleza da vida familiar e como é necessário um namoro casto para saber esperar pelo “esposo-esposa”.

“ O exemplo dos pais! Quem não consegue enxergar sua  insubstituível eficácia?As orações dos pais com os filhos, a fidelidade consciente na obrigação dos Dias Santos, linguagem respeitosa no falar de religião e da Igreja, serenidade e diligência, e honesta, honrada, irrepreensível conduta de vida.”[2]

2.Manter um diálogo sempre sincero e adequado segundo a idade de cada um dos filhos para que eles tenham a liberdade de fazer perguntas aos pais e não “aos amiguinhos”, ou que pelo menos possam tirar suas dúvidas quando elas surgirem. Melhor ainda é quando os pais já antes dos filhos terem inquietude nestes assuntos podem oferecer a melhor resposta. A Igreja ensina que, no campo da educação sexual, os pais devem conversar com os filhos e as mães com as filhas sobre estes temas, sempre com muita delicadeza. Meditemos um trecho do ensino do Papa Pio XII em uma locução às mães:

Mas chegará um dia em que este coração de criança sentirá em si o despertar de novos impulsos e de novas inclinações que perturbam o lindo céu da primeira idade. Naquele perigo, oh mães cristãs, recordem que educar um coração é educar a vontade contra as trapaças do mal e as insídias das paixões; naquele passo da inconsciente pureza da infância à consciente e vitoriosa pureza da adolescência, vosso dever será da máxima transcendência. Pertence a vós preparar vossos filhos e vossas filhas para atravessar com valor, como quem passa entre serpentes, aquele período de crise e de transformação física sem perder nada da alegria da inocência, mas conservando aquele instinto natural e peculiar do pudor com o qual a Providência quis proteger sua frente como com um freio contra as paixões fáceis demais de desviar-se. Tal sentimento do pudor, delicado irmão do sentimento religioso, com seu espontâneo recato em que tão pouco se pensa hoje, evitareis que o percam na maneira de se vestirem, nos enfeites, em amizades pouco decorosas, em espetáculos e representações imorais; de fato vós mesmas os fareis cada vez mais delicado e vigilante, sincero e puro. Vigiareis com cuidado seus passos; não deixareis que a candura de suas almas se manche e se perca com o contato de companheiros já corrompidos e corruptores; inspirareis alta estima, zelo e amor à pureza, assinalando-lhes como fiel custódia a proteção maternal da Virgem Imaculada. Finalmente, vós, com vossa perspicácia de mães e educadoras, graças à leal sinceridade do coração que haveis sabido infundir em vossos filhos, não deixareis de perscrutar e de discernir a ocasião e o momento em que certas misteriosas questões apresentadas ao seu espírito terão causado em seus sentidos especiais perturbações. Corresponderá então a vós com vossas filhas, ao pai com vossos filhos – em quanto pareça necessário – levantar cauta e delicadamente o velo da verdade, dando-lhes respostas prudentes, justas e cristãs àquelas questões e àquelas inquietudes. As revelações sobre as misteriosas e admiráveis leis da vida, recebidas oportunamente de vossos lábios de pais cristãos, com a devida proporção e com todas as cautelas obrigatórias, serão escutadas com uma reverência unida de gratidão e iluminarão suas almas com muito menor perigo que se as aprendessem ao azar, em turvas reuniões, em conversas clandestinas, na escola de companheiros de pouca confiança e já muito versados ou por meio de ocultas leituras tanto mais perigosas e prejudiciais quanto seu secreto inflama mais a imaginação e excita os sentidos. Vossas palavras, se são ponderadas e discretas, poderão se converter em salvaguarda e aviso frente às tentações da corrupção que os rodeiam, porque a seta prevista fere menos.[3]

3.Educar os filhos nas virtudes e no espírito de sacrifício. A educação de uma alma – a arte das artes – começa no berço. Por isso quando um filho chega na puberdade e na adolescência, fase onde os hormônios querem ter a “voz final”, se a criança já foi educada nas virtudes ela já terá uma noção do que significa “esperar”. Por exemplo: se você concede tudo o que seu filho quer e na hora que ele quer – seja uma comida, uma bala, um jogo, uma roupa, etc. – ele jamais vai aprender a virtude da paciência. Com certeza, quando bebê ele fará birra, chorará, esperneará por querer na hora dele, justamente porque seus desejos devem ser saciados imediatamente, pois o bebê não reconhece o sentido da “espera”. Mas, educar é justamente trazer à tona o melhor do seu filho e para isso, com amor e firmeza, dia após dia, nas infinitas situações que acontecem, cabe à mãe ir forjando nesta alma a virtude da paciência. De uma maneira simplificada, quem consegue renunciar a sobremesa aos 3 anos poderá renunciar a namorar aos 10, mas ao filho que nunca se diz “não” é impossível fazê-lo entender o sentido e a necessidade da espera.

Escutemos, uma vez mais, as palavras do sábio Papa:

“Eduque o caráter de vossos filhos; atenue ou corrige seus defeitos; aumenta e cultiva suas boas qualidades de coordená-las com aquela firmeza que é prelúdio da seriedade dos propósitos no curso da vida. As crianças, ao sentir sobre si a medida que com o crescer começam a pensar e a querer uma boa vontade paterna e materna, livre de violência e de cólera, constante e forte, não inclinada a debilidades nem a incoerências, oportunamente aprenderão a ver nela a intérprete de uma vontade mais alta, a de Deus: assim é como injetarão e arraigarão em suas almas aqueles primeiros hábitos morais tão poderosos, que formam e mantém um caráter, pronto para dominar-se nas alternativas e dificuldades mais variadas, intrépido para não retroceder nem frente à luta nem frente ao sacrifício, ao se achar penetrado por um profundo sentimento do dever cristão.”[4]

 4.Consagrar diariamente seus filhos ao Imaculado Coração de Maria, Coração puríssimo onde o próprio Deus quis morar. A batalha que temos é contra Satanás – não contra os homens – por isso devemos proteger espiritualmente nossos filhos. O mundo quer roubar-lhes a pureza, pois o inimigo sabe que somente “os puros verão a Deus”. Temos que dobrar nossos joelhos para que nossos filhos sejam não apenas protegidos do mal, mas também, luz e sal já desde a sua infância. Exemplos não faltam na nossa Santa Igreja: o que falta são pais que tomem estes santos como exemplos para seus próprios filhos, leiam suas histórias uma e outra vez para eles, de forma que ambos – pais e filhos – se sintam inspirados para serem santos como eles.


[1] S.S Pio XII, Papal Teaching, The Woman in the Modern Word, St. Paul Editions (1958) pg 112

[2] S.S Pio XII, Papal Teaching, The Woman in the Modern Word, St. Paul Editions (1958), pg 191

[3] Dante, Paraíso, 17, 27

[4] Tradução nossa. Pode se ler o origial aqui

Related article

  • 26 07-2017
    O que Nossa Senhora espera da juventude
    • Juventude
    • Comentários desativados em O que Nossa Senhora espera da juventude

    Num belíssimo discursso para a Juventude Católica o Santo Padre Pio XII nos diz o que Nossa Senhora espera da juventude.  Depois de parabenizar pela consagração à Nossa Senhora o Papa diz que “o futuro da…

    Read more...
  • 30 05-2017
    Discursos aos recém casados – Papa Pio XII
    • Família
    • Comentários desativados em Discursos aos recém casados – Papa Pio XII

    Com alegria disponibilizamos os Discursos do Santo Papa Pio XII aos recém casados. Estão em espanhol mas esperamos que muitas famílias possam encontrar neles as luzes para trilhar o caminho de santidade como ecclesia domestica!…

    Read more...
  • 23 10-2016
    Do trabalho fora do lar para… dedicar-me integralmente ao nosso Lar!

    Por Sharlie Macente  A vida transcorria normalmente. Eu já havia passado pelos bancos escolares com muito sucesso. Já havia terminado a faculdade que eu escolhi. Já tinha voltado de um intercâmbio de 1 ano no…

    Read more...